domingo, 8 de abril de 2012

O que [talvez] me falta



A noite é mesmo assim...
ando em passos largos
eu tenho medo de andar sozinha na rua...
enquanto eu não chego em casa
vou sentindo falta
falta do que eu ainda não dei nome...
estranha sensação de estar cercada de gente e sentir-se desprotegida...
e eu me entrego... escolho estar comigo mesma
aos poucos vou me afastando
pra quem sabe assim chegar mais perto...
perto do que eu ainda não dei nome...
e quem sabe, um dia,  voltando sozinha pra casa
você vem me dizer como se chama
vai me dar à mão pra eu não sentir mais medo
e eu vou conhecer quem sempre me fez falta...


É eu acho que eu só preciso de amor, amor, amor SINCERO e nada mais!

5 comentários:

  1. Amor....parece comigo isso...lindo texto...orgulho poder chamar-te "amiga"... bjo preta

    ResponderExcluir
  2. Eita mulher pra escrever bem e de forma tão primorosa uma coisa de tão simples como o amor. O mundo moderno está recheado disso tudo que você escreveu. Dessa busca por sentir-se acolhido e envolto de segurança por compartilhar a vida com outra pessoa. Coisa simples e quase inimaginável nos dias atuais...pq? talvez seja porque as pessoas estão muito fechadas nas falsas necessidades que a vida oferece e estejam enclausurando a coisa mais pura que é o amor. Mas o amor é como os conteúdos inconscientes de Freud, nos martelando e tentando voltar ao palco de destaque onde é que devem estar. Talvez as pessoas ainda não saibam como trazer a tona o que faz delas humana, mas tenhamos esperança em pessoas como a autora que profere palavras tão belas partindo da estância mor do amor...o coração.

    Continue com suas belas palavras,

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Tem me deixado de boca aberta. Parece que iniciou uma nova fase em sua vida. Pois bem. Lembrei-me de uma poesia de Cecília, a Meireles que diz: "Escreverás meu nome com todas as letras, com todas as datas - e não serei eu./ Repetirás o que me ouviste, o que leste de mim, e mostrarás meu retrato - e nada disso serei eu..." (Biografia). Bem, essa parte comenta o seu texto e por falar em amor, quem é que não quer? Quem é que não sonha não é verdade? Amor é ponte, travessia, é desconcerto, desencontro, partituras, enfim, o seu texto faz com que a gente se encontre, como o peixe se encontra quando beija a própria figura dada no topo. É um deleite. Parabéns Jéssica, muito bom mesmo. Tem superado a escrita, tem se superado e tem superado o mundo. ♥

    ResponderExcluir
  4. Flor Texto Lindo ...
    quando lia fiquei pensando eh assim q me sinto quando estou sozinha e vc soube descrever tudo a mais pura verdade ..
    Texto lindo Amiga , continue assim pois vc faz uma pessoa feliz quando lê..

    Beijos

    ResponderExcluir